" />
    • 24 MAR 20
    • Pin It

    “Adultos com Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção e o teletrabalho: estratégias que podem ajudar” – Dra. Mariana Neves

    O teletrabalho pode ser um enorme desafio, em particular para todos os trabalhadores com Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA). A psicóloga clínica Mariana Neves indica estratégias que podem ajudar.

    Este é certamente um tempo de grandes desafios para todos nós. O Covid-19 chegou e colocou-nos perante situações que a grande maioria de nós nunca pensou vir a experienciar.

    Acreditamos que todos, de acordo com os seus desafios pessoais, se sintam neste momento mais vulneráveis de alguma maneira.

    Felizmente, a muitos trabalhadores de diferentes áreas foi dada a possibilidade de ficar em casa num isolamento voluntário (para proteção de todos), e que a partir daí recorram diariamente ao teletrabalho, continuando assim a contribuir para a nossa sociedade.

    Sendo esta uma opção a que, na realidade, a grande maioria gostaria de ter acesso, esta pode ser também um enorme desafio, em particular para todos os trabalhadores com Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA).

    Deixamos algumas dicas que podem ser úteis para os ajudar a estruturar este momento onde novas rotinas, autonomias e responsabilidades podem ser mais difíceis de gerir:

        1. Tome diariamente a sua medicação:todos os dias, à mesma hora. É mesmo importante para conseguir potenciar o seu efeito ao máximo. Mantenha uma rotina diária estruturada e consistente, nomeadamente com as horas de acordar e de ir dormir, e não se esqueça de encaixar a toma de medicação.
        2. Estabeleça um local de trabalho fixo para si, longe de distrações e com limites bem definidos: escolha um sítio onde possa manter-se a trabalhar nos próximos dias, eliminando logo à partida todos os possíveis estímulos de distração à sua volta. Por exemplo, é importante deixar a secretária onde vai trabalhar apenas com aquilo de que necessita e deve evitar sentar-se em frente a janelas. Havendo mais pessoas em casa, considere a possibilidade de ouvir playlists com música instrumental, música clássica ou música ambiente para bloquear os ruídos de fundo. Deve avisar quem mora consigo para não o interromper durante os períodos de trabalho e ter esse mesmo cuidado com eles.
        3. Atenção ao tempo – mantenha-se consciente: sabemos que a estimativa do tempo é uma das grandes dificuldades na PHDA. No local de trabalho o tempo, apesar de tudo, é mais percetível porque é partilhado e comum com colegas e chefes.Em casa, é ainda mais importante encontrar uma forma de ter um regulador externo do tempo. Use alarmes ou aplicações já concebidas para o efeito que o ajudem a estabelecer tempos de trabalho e tempos de pausa. Atenção aos tempos de pausa, eles são de extrema importância para si, mas deve ter especial atenção e cuidado à forma como os ocupa, pois em casa haverá imensas outras possibilidades mais apetecíveis – cuidado com o hiperfocus e pense duas vezes se é uma boa ideia “ver um episódio da sua série preferida”.
        4. Faça listas de tarefas com níveis de prioridade:é importante definir objetivamente as tarefas que tem para realizar. Não se esqueça de dividir tarefas maiores e mais complexas em tarefas únicas, objetivas e específicas. É importante que execute apenas uma tarefa de cada vez, e não avance para uma nova sem ter terminado a anterior. Sempre que possível, peça ao seu chefe ou colegas, que lhe dêem prazos bem definidos para o envio das tarefas que tem a seu cargo.
        5. Seja cuidadoso consigo próprio:estar isolado e permanecer em casa tanto tempo é uma tarefa árdua para a grande maioria de nós. Não se defina apenas pela sua PHDA e pelos desafios que ela lhe coloca…Atenção à sua voz autocrítica quando der por si a distrair-se, com dificuldades a adaptar-se ao “novo local de trabalho” ou a gerir as suas tarefas de forma completamente autónoma. Trabalhar a partir de casa também exige aprendizagem, por isso seja bondoso e paciente consigo próprio.

     

    Texto: Mariana Rigueiro Neves  – Consulta da PHDA no Adulto

    Fonte: SapoLifeSyle