• 16 ABR 21
    • Pin It

    «Estrelas & Ouriços – Artigo opinião » “As rotinas como um momento de aprendizagem”– Dr. Fábio Fernandes

    A Activity Base Intervention (ABI) é uma metodologia que pretende aproveitar as atividades naturais e rotinas da criança, em função de objetivos para o desenvolvimento pessoal-social, cognitivo, motor e linguístico.

    Cada vez mais os pais estão sensíveis às questões do desenvolvimento dos seus filhos, com uma maior disponibilização de informação acerca do mesmo. Com esta informação nasce, muitas vezes, a pressão de criar momentos estruturados de aprendizagem.

    Contudo é importante perceber, sobretudo quando falamos nos mais pequeninos, que os ambientes naturais de aprendizagem do dia a dia, bem como o envolvimento ativo e coresponsabilização da família são os fatores principais para o desenvolvimento criança.

    Com base nisto surgiu a Activity Base Interventions (ABI), uma abordagem desenvolvida nos Estados Unidos na Universidade de Oregon, projetada especificamente para ajudar as crianças a alcançar os seus objetivos dentro do contexto de atividades diárias e rotinas familiares, permitindo assim alcançar mais autonomia e funcionalidade.

    Trata-se, no fundo, de aproveitar as atividades naturais da criança em função de objetivos para o seu desenvolvimento pessoal-social, cognitivo, motor e linguístico.

    Neste sentido, as rotinas passam a ter uma relevância fundamental para o desenvolvimento das crianças (e da própria família!) pois constituem os momentos primários de aprendizagem. Esta conceptualização ajuda a responder às necessidades atuais de otimização do tempo, que cada vez mais são reportadas pelos pais como “não tenho tido tempo para me sentar com o João para fazer este jogo.”

    As (ABI) pretendem sobretudo capacitar os pais a encontrar, em momentos e atividade rotineiras, variantes que permitam trabalhar os objetivos que pretendem. Vejamos como exemplos:

    • Durante a refeição, podemos perguntar as cores, tamanhos, cheiros dos alimentos.
    • Na hora do banho, podemos pedir à criança que identifique a zona do corpo que está a lavar.
    • Quando está a arrumar os brinquedos, pode contar quantos carros estão a ser guardados.
    • Quando se estão a preparar para ir deitar, pedir que dispa sozinho, ou com pouca ajuda certas peças de roupa.

     

    A identificação, por parte dos cuidadores e, muitas vezes com a ajuda de um técnico, de oportunidades de desenvolvimento, dentro das rotinas, permite não só otimizar o tempo que dispõem para estar com as crianças, como utilizar momentos naturais e autênticos da criança para o seu próprio desenvolvimento.

    No entanto, importa referir, que existem situações e competências que devem ser trabalhadas num ambiente estruturado e específico para tal.

    Conclui-se então que a adoção de um sistema de aproveitamento das rotinas para o desenvolvimento de diversas competências deve ser utilizada, sobretudo no âmbito da intervenção precoce, sendo acoplado com outras estratégias e metodologias de intervenção quando a necessidade assim o dita.

    Autores:
    Fábio Fernandes – Técnico Superior de Reabilitação Psicomotora – Psicomotricidade

    PIN – Centro Clínico, de Formação e Investigação